Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Logo usado para designar a poupança dos únicos que usufruem do fundo de verdade

Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Falta de Educação Básica (FUNDÉBIL), antigo (lá vai...) Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (FUNDEF), é um fundo comunitário onde toda a população contribui e alguns poucos cleptomaníacos do governo pode por a mão e melhor ainda, usar o dinheiro em benefício próprio. Foi criado em 2007, quando o ex-presidente Lula não tinha absolutamente nada pra fazer enquanto era investigado no famigerado mensalão de 2005. Como ele não podia pagar uma canjibrina ao seus asseclas diretamente (pois já tinha sido pego uma vez, justamente no mensalão), então resolveu criar essa pequena caixinha de Natal e pôr este romântico nome: fundo de manutenção e desenvolvimento da educação básica.

Como qualquer fundo governamental brasileiro, o dinheiro é guardado para um fim e acaba tendo um outro destino, aquele que todos nós sabemos desde que o bananil deixou de ser uma escala marítima para se tornar uma colônia dos portugayses, o bolso da representação do brasileiro nas três esferas do poder(exe, leg e jus).

Origem[editar]

Como a maioria dos programas surgidos no governo Lula, o Fundeb também já existia, só que com outro nome. O que o invertebrado analfabeto fez além de mudar o nome do fundo, foi aumentar ainda mais o tamanho da gorda poupança, de 1% para 10% da receita do Estado. Isso em um país que dispõe de trilhões por ano, pense agora na bolada que prefeitos de zonas pequenas cidades devem levar por fora.

De qualquer forma, o programa continuou não funcionando porque nem o governo acabou cumprindo com a parte dele, desviando boa parte do que deveria ser investido no fundo, em estádio da copa do mundo ou em obras olímpicas

Destino dos recursos[editar]

Os valores captados pelo governo vão bancar pequenas festinhas de prefeitos, banquetes de gala nos palácios governamentais, subornos a juízes, compra de voto pró e contra algum projeto de lei por parte do presidente e por ai vai. O nome do programa sugere muito também, já que fun é diversão e débil nem precisa dizer. Podemos inferir que este fundo é para bancar a diversão das débeis excelências já que educação mesmo, no Brasil, não existe há muito tempo.

Quanto mais pobre o curral desses ímprobos, maior o valor destinado e maior o desvio é. Em brejos como os sarneyenses e piauienses, a Polícia Federal faz operação todo o dia, os envolvidos são afastados, mas entram outros corruptos no lugar pior ainda. Não atoa que nesses lugares, a taxa de analfabetismo chega a 120%.

Ligações externas[editar]

Ver também[editar]