Guiné Equatorial

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa
Distrito Federal da Guiné
Banana Republic of Equatorial Mobil™!
Distrito Federal da Guiné
Bandeira de Distrito Federal da Guiné
Brasão de Distrito Federal da Guiné
Bandeira Brasão

Localização de Distrito Federal da Guiné

Capital Malabo
Cidade mais populosa Malabo
Religião oficial Umbanda e crenças ocultistas
Governo Estado da Guiné
 - Governador Ray Charles
Heróis Nacionais Teodoro Obiang Nguema Mbasogo
Área  
 - Total 5.801,937 Km2 km² 
 - Água (%) 60
Analfabetismo 97 
População 2.333.108 
PIB per Capita 444 
IDH
Moeda Real
Fuso horário 0 X 0
Clima Forno
Website governamental Guiné Equatorial


Guiné Equatorial é mais um dos gloriosos territórios do Império Guerrilheiro da Guiné e o único país que fala espanhol na África.

História[editar]

Colonização[editar]

O território continental conhecido hoje como Guiné Equatorial foi um território de Gabão desde que este se conhece por país. A parte continental guinéu-equatoriana.

As ilhas de Bioko, Malabo e Cabo Verde eram pertencentes a Madagáscar.

Independência[editar]

Guiné Equatorial resumida em uma foto.

Quando o Reino da Guiné conseguiu a independência e colocou em prática seu plano de conquista do mundo, conquistou o território conhecido hoje como Guiné-Bissau, depois conquistou todas as ilhas que rodeiam a África, mas não conseguiu manter sua hegemonia por muito tempo nessas localidades e precisou concentrar esforços na dominação das ilhas Bioko e Malabo, apesar delas comportarem apenas um povo aborígene.

Ao conquistar as ilhas de vez, batizou o lugar de Guiné Equatorial pelo fato de ter feito uma união duradoura de livre comércio com o Equador.

As tribos locais, formadas por guerreiros sedentos por sangue e território, somados com a vontade da Guiné formar uma capital igual ao Brasil em um Distrito Federal quadrado, decidiram invadir o Gabão e após uma sangrenta guerra conseguir conquistar um pedaço de terra em forma de retângulo para situar e isolar a capital do Império da Guiné.

Partido Democrático de Guiné Equatorial[editar]

Francisco Macías Nguema após a independência da Guiné Equatorial se declarou em 1972 presidente vitalício do país. Teodoro Obi Wan não achou problema nisso, e apenas matou Nguema fazendo o cargo vitalício dele deixar de ser vitalício por falta de vitalidade por parte do morto.

Em 1987 Obiang cria o Partido Democrático de Guiné Equatorial (PDGE), bane todos outros partidos políticos e cria um sistema fake de democracia para evitar de ser assassinado como foi o seu predecessor.

Fatos recentes[editar]

Em 2002 Obiang continua sua saga em se tornar o maior filha da puta de Guiné Equatorial e continua se reelegendo com 100% dos votos por sempre ser o único candidato já que os opositores são todos jogados aos tubarões.

Em 2009 Obiang é reeleito pela trilhionésima vez com 100% dos votos e apenas continua mantendo em prática seu programa de governo que baseia-se em comprar mansões na França para ele mesmo. Neste governo, Teodoro Obama anunciou que o português seria a terceira língua oficial daquele país, mesmo que ninguém naquele país soubesse dizer uma palavra em português.

Geografia[editar]

A Guiné Equatorial é formada por um território continental de mesmas dimensões que o Distrito Federal brasileiro e duas ilhas isoladas que compõem o que presta do país.

Subdivisões[editar]


Economia[editar]

O principal parceiro da Guiné Equatorial é o Equador, enquanto o Equador deporta seus bandidos para seu país, em troca fornece a maconha que vem da Colômbia para os guerrilheiros locais.

Flag-map Guiné Equatorial.png
Guiné Equatorial
HistóriaPolíticaSubdivisões
GeografiaEconomia
CulturaTurismo


Salve mãe África, mano!
África
v d e h

Países: África do Sul | Angola | Argélia | Benim | Botswana | Burkina Faso | Burundi | Cabo Verde | Camarões | Chade | Comores | Congo | Costa do Marfim | Djibouti | Egito | Eritreia | Eswatini | Etiópia | Gabão | Gâmbia | Gana | Guiné | Guiné-Bissau | Guiné Equatorial | Lesoto | Libéria | Líbia | Madagascar | Malawi | Mali | Marrocos | Maurício | Mauritânia | Moçambique | Namíbia | Níger | Nigéria | Quênia | República Centro-Africana | República Democrática do Congo | Ruanda | São Tomé e Príncipe | Senegal | Serra Leoa | Seychelles | Somália | Sudão | Sudão do Sul | Tanzânia | Togo | Tunísia | Uganda | Zâmbia | Zimbabwe

Territórios: Canárias | Ceuta | Galmudug | Mayotte | Melilla | Reunião | Saara Ocidental | Santa Helena, Ascensão e Tristão da Cunha | Somalilândia


Bandeira da CPLP
Conjunto dos Patetas de Língua Presa (CPLP)
v d e h

Países membros: Angola | Brasil | Cabo Verde | Dadrá e Nagar-Aveli | Damão e Diu | Goa | Guiné-Bissau | Guiné Equatorial | Macau | Maurício | Moçambique | Portugal | São Tomé e Príncipe | Timor-Leste

Intrometidos: Andorra | Croácia | Filipinas | Galiza | Indonésia | Malaca | Marrocos | Romênia | Ucrânia | Venezuela