Síndrome de Estocolmo

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

Cquote1.png Você quis dizer: Síndrome de Estou calmo Cquote2.png
Google sobre Síndrome de Estocolmo
Cquote1.png Você quis dizer: Maria Do Rosário Cquote2.png
Google sobre Síndrome de Estocolmo
Cquote1.png Você quis dizer: Mirai Nikki Cquote2.png
Google sobre Síndrome de Estocolmo
Cquote1.png Experimente também: Sequestro Cquote2.png
Sugestão do Google para Síndrome de Estocolmo
Cquote1.png Eu já me apaixonei pelo meu sequestrador. Cquote2.png
Princesa Peach sobre Síndrome de Estocolmo
Cquote1.png Que coincidência, eu também. Cquote2.png
Princesa Zelda sobre citação acima

Perceba que Patricia Campbell Hearst não tinha o menor jeito para empunhar uma arma.

Síndrome de Estocolmo é uma síndrome que ocorre quando o sequestrado se apaixona pelo seu sequestrador (Só que não). Na realidade não é bem isso. Ela é uma desculpa para explicar a tendência criminosa que algumas vítimas de um sequestro revelam, caso os bandidos a deixem tomar parte da gangue. Isso foi inventado para não condenar uma patty que resolveu revelar a sua tendência maléfica ao adorar as armas e comportamento de seus sequestradores e implorar para fazer parte do bando. Isso foi em mil novecentos e qualquer coisa aí...

A grande farsa[editar]

Esse desenho é para ilustrar a expressão aflita e oprimida de um acometido da síndrome.

Patty Hearst, que é Patty até no nome, ao ser sequestrada durante a um assalto a um banco, se apaixonou pela ação dos assaltantes e quis fazer parte da gangue na hora mas, como sua família era dona de metade da cidade, e sua mãe conhecia os maiores psicanalistas da época, resolveram então, para livrar a safada do crime, inventar isso de síndrome de Estocolmo, depois ainda inventaram que o primeiro caso registrado foi em Estocolmo, outra lorota.

O fato de muitas vítimas de sequestro manterem a calma e tentarem não irritar os sequestradores é uma das decisões que se pode tomar em um caso desses mas, isso nada tem a ver com simpatia pelos algozes, ainda que eles não demonstrem intenção de matar, até porque pode ser mentira e quando não demonstram daí é que é mais perigoso ainda: Querem matar sim, mas de maneira rápida. De qualquer forma o sofrimento dos familiares e amigos, claro que em alguns casos eles estão dando graças à Deus e nesse caso eles é que tem simpatia pelos bandidos mas, isso é outra história.

Lembrando que aproximar-se do sequestrador não é uma doença, e sim uma estratégia de sobrevivência em uma rua sem saída.

Os psicanalistas que inventaram isso foram bem pagos, bem mais do que os sequestradores, para poupar o nome da família da guria que, era sim uma grande de uma bandida que, não aguentou ver a gangue realizando o crime e sentiu comichão para fazer também, já que isso estava em sua índole e ela nem esitou em pegar em uma das armas e ajudar. Note ainda, que aquele banco era um cofrinho de criança perto do que a família dela possuía, ou seja, não tem desculpa mesmo a não ser esse termo embusteiro na qual a maioria das pessoas ingenuamente acredita. Claro que isso serve desde então de desculpa para todo sequestrado que resolve se revelar e, vez ou outra isso acontece.

As pessoas que manifestam a tal síndrome apresentam olhar assassino e, no geral estão mais dispostas a matar do que seus agressores, pode ainda dar uma espécie de risada diabólica e perversa e, podem ainda estarem com comportamento sádico no sentido sexual.

A verdadeira síndrome[editar]

Existe a verdadeira síndrome mas, não é o caso das pessoas que querem se juntar ao bando. Isso seria alguém concordando com um algoz por medo mas, nesse caso sequer ocorre sequestro. Funciona da seguinte forma: Caso você mesmo, que não vale um real, tenha um parente cardíaco, paranóico ou nervoso, pode testar e conhcera verdadeira síndrome. Recora a sua malvadeza nata, que tem talvez por falta de liberar o brioco e se satisfazer mas, então, você vai trabalhar em cima da fraqueza que a pessoa já possui e de modo bem psicopata deixar a pessoa mais maluca do que já deve ser. Depois de impressioná-la com algo que você imprestável, sabe que não existe ou não tem o menor fundamento, então você vai deixar claro que tem aver com a coisa inventada e a pessoa atormentada por você estará em suas mãos imundas, concordando com tudo que você quiser, por medo, ou impoosição da psiquê. Isso sim seria uma Sindrome de Estocolmo e não aquela comportamento criminoso de alguns sequestrados. Caberia bem em casos como o da sua tia que você quase matou de nevralgia e, ela diz trêmula Estou calma, o que combina com estou calmo ou Estocolmo.

Veja Também:[editar]


Síndromes, autismos, retardos mentais e outras frescuras patológicas da humanidade