Seguro-desemprego

Origem: Desciclopédia, a enciclopédia livre de conteúdo.
Ir para: navegação, pesquisa

O seguro-desemprego é o salário e principal fonte de renda do brasileiro médiocre. Teoricamente, trata-se de um seguro temporário, mas para os amigos da corte, é uma fonte de renda polpuda e permanente. Como toda esmola do governo, também é paga pela Caixa. É a único motivo dos SINEs e agências do trabalhador ficarem cheias no início de mês, já que o brasileiro em si não trabalha e nunca gostou de trabalhar de fato.

Histórico[editar]

Brasileiros observando a data de pagamento de seus salários.

Foi instituída pelo papel que usamos pra forrar nosso vaso sanitário, também conhecida formalmente como Retalhos Federais, promulgada pela turma de Senhor Maranhão & Cia. em 1988. Nela, também está instituída a fonte desse dinheiro que todo burro de carga tem em mente quando manda seu currículo para trabalhar numa empresa.

Probramas associados[editar]

Afim de tentar frear a quantidade de baianos pendurados nesse seguro, o governo, durante a falta de gestão Dilma, resolveu lançar uma série de programas que todo mundo tacou o foda-se, inclusive o próprio governo.

Bolsa-Qualificação[editar]

O primeiro, lançado na virada do bug do milênio e existente até hoje, mesmo que nenhum dos beneficiários saibam de que porra se trata, é o bouça-cualificassaum, um programa que visa oferecer cursos desqualificados aos trabalhadores para que possam deixar de concorrer ao mercado de trabalho. São oferecidos cursos como digitação, auxiliar de administração e auxiliar de almoxarifado. Os cursos facilitam o trabalho do RH, já que ao olhar o cu-rrículo de alguém que tenha feito um desses cursos, o RH sabe que o cara é um incapacitado que não serve para exercer qualquer cargo, inclusive aqueles oferecidos as pessoas com deficiência. Se alguém precisou fazer um curso para aprender auxiliar de administração, é porque a pessoa realmente sofre de grave déficit mental, logo ela não serve nem para nada.

Antes e durante a copa de 2014, a fim de fomentar outros tipos de trabalho no país fora a prostituição, o governo federal re-lançou o mesmo programa com outro nome, como de praxe na era petista. EM alguns locais, o bolça-cualificassau passou a se chamar desQualificopa no DF e transtorno e Pronatec Copa em outros bolções da miséria espalhados pelo país.

Alterações das regras em 2015[editar]

Antes de catar o beco da presidência, a ex-presidanta Dilma elevou os pré-requisitos para os trabalhadores poderem pegar seu tão sonhado seguro-desemprego, quando resolveu mais que dobrar o período para o primeiro pedido, o que deixou o gado puto com aquela senhora e de certa forma, acabou motivando os tais discursos durante o espetáculo circense apresentados pelos representantes do povo, em 2016.